A inauguração da Sears da Água Branca

Anúncio de inauguração da Sears Água Branca

Anúncio de inauguração da Sears Água Branca

Um anúncio publicado n’O Estado de S. Paulo e na Folha da Manhã, em 24 de setembro de 1955, anunciava a inauguração da nova unidade da Sears, na Água Branca, para dali a dois dias. (Seria a segunda loja da marca em São Paulo, depois da unidade do Paraíso, na Rua Treze de Maio, que tinha sua magia própria.) A nova Sears ficava no terreno onde hoje é o Bloco A do Shopping West Plaza, na Avenida Antártica, que, em 1955, era apenas uma rua. O quarteirão que a englobava tinha perímetro nas ruas Antártica, Embaixador Leão Veloso, Barão de Teffé e Engenheiro Stevenson, esta hoje uma rua apenas para pedestres que fica praticamente dentro do West Plaza.

Apesar de o anúncio alardear como grande vantagem o “pátio de estacionamento subterrâneo para trezentos carros”, ele também lista todas as opções de condução disponíveis na região, inclusive mostrando, no mapa, onde ficava a parada de ônibus e bondes, num tempo em que o Viaduto Antártica ainda estava a mais de uma década de começar a ser construído. Curiosamente, os trens não foram citados no anúncio. A Estação Barra Funda, da Sorocabana, não ficava tão distante e provavelmente apareceria no mapa, pela escala (ou falta de) utilizada. Ela ficava mais ou menos onde hoje é o Terminal Intermodal Palmeiras-Barra Funda.

Esse não foi o único anúncio referente à inauguração. No dia seguinte, foi anunciada, em várias páginas inteiras dos jornais, a “grande venda inaugural”, com várias promoções além das ofertas de descontos ali listadas: “Centenas de novas ofertas especiais em todas as seções da loja, grátis para as senhoras distribuição de flores no primeiro dia, grátis para as crianças distribuição de balões de borracha e pirulitos, e inúmeras ofertas não anunciadas com grandes reduções de preço.” Além disso, o material publicitário dava destaque para as grandes vantagens da nova loja: “Estacionamento subterrâneo para trezentos carros, Escadas rolantes nos três pavimentos de vendas e ar-condicionado perfeito para o seu conforto”.

O serviço de divulgação da nova loja deve ter sido bastante eficiente, pois a Folha da Manhã trouxe ainda, no dia 25, uma matéria que é um claro press release falando da impermeabilização das bacias de refrigeração de ar no local (!). Outro press release trazia algumas fotos do processo de confecção das decorações ali instadas, sob o título “Mais uma realização inigualável das ‘Instalações Artísticas Jote’: Nova Sears”:

A ideia, a originalidade, os elementos funcionais, as cores e a beleza dos projetos “Jote” nascem neste estúdio, onde projetistas, desenhistas e técnicos experimentados trabalham incessantemente para o progresso da instalação comercial. Linhas sóbrias e acabamento perfeito caracterizam a nova loja Sears. Cerca de sessenta técnicos especializados de “J. Tedesco”, sob orientação segura e hábil, durante sete meses construíram a decoração e as instalações da maior loja do Brasil. Os quatro magníficos andares da nova Sears possuem inúmeros recantos pitorescos de linhas expressivas. E em cada detalhe, em cada remate, é flagrante a excelência da construção e do acabamento insuperável das “Instalações Artísticas Jote”.

Nessa mesma edição, também havia anúncios de outras marcas exaltando sua presença na loja que se inauguraria, como o anúncio abaixo, dos Produtos Lampo, que traz uma ilustração da nova Sears.

Anúncio dos Produtos Lambo congratula a Sears pela nova loja

Anúncio dos Produtos Lambo congratula a Sears pela nova loja

Além do farto material publicitário, “o mais moderno edifício para varejistas da América do Sul”, segundo o Estadão, também foi exaltado pelos meios de comunicação desde antes de sua abertura. Quase um mês antes, a jornalista Mary, da coluna “Compare e… Compre”, do Suplemento Feminino do Estadão, pôde visitar a nova loja e publicou suas impressões:

Uma grande notícia para vocês: visitei, anteontem, a nova loja que a Sears vai inaugurar, brevemente, à Rua Antártica, perto da Avenida Francisco Matarazzo (antiga Água Branca). Trata-se de uma loja notável, com escadas rolantes ligando três andares, repletos de ótimos e variados artigos, ar-condicionado e uma decoração moderníssima; além disso, haverá no porão lugar para estacionamento de trezentos automóveis. Uma maravilha, realmente, porque facilitará muito não só a escolha como a compra de qualquer artigo.

Outra boa nova é que essa loja terá o maior departamento, no Brasil, de vestidos e roupas em geral, para senhoras, assim como apresentará sempre um estoque completo e muito fino. Vocês poderão imaginar como me entusiasmei visitando essa nova loja da Sears, que, uma vez inaugurada, será, como a outra loja desse nome, um dos pontos mais frequentados pelas senhoras da nossa sociedade. Pois nessas lojas sempre encontramos o que precisamos, a preços realmente razoáveis.

A inauguração da loja contou com a presença de “autoridades civis, militares e eclesiásticas”, segundo a Folha. Após um discurso do presidente do Sindicato dos Lojistas no Comércio de São Paulo, o cardeal-arcebispo D. Carlos Carmelo de Vasconcelos Mota procedeu à benção das instalações e também descerrou a fita inaugural, liberando a entrada do grande público que compareceu ao evento. Houve ainda uma entrevista coletiva do diretor-presidente da Sears, falando do capital registrado da firma no Brasil, lembrando que 90% dos produtos à venda eram fabricados no Brasil e garantindo que, “desde que se estabeleceu [no Brasil], a Sears nunca remeteu um dólar ou cruzeiro sequer para o exterior, em lucros ou dividendos”.

Não sei dizer a data exata em que ela fechou. No final dos anos 1980, o Grupo Susa, holding que controlava a Sears e a Dillard’s (outra loja de departamentos), decidiu investir em lojas menores e aproveitou os edifícios das unidades Paraíso e Água Branca como shopping centers, com a Sears como âncora, em “versão reduzida”. O West Plaza foi divulgado a partir de 13 de outubro de 1988, com anúncios em jornais e estava orçado em setenta milhões de dólares. A primeira fase do shopping, justamente o atual bloco A, foi inaugurada em 31 de janeiro de 1990, contando com a “mini” Sears, uma unidade das Lojas Americanas e dez lojas especializadas em artigos infantis. O restante do empreendimento inicial seria inaugurado em maio do ano seguinte, já sem a Sears, que fechou em algum ponto nesse período. A Sears original sobrevive na minha lembrança: recordo-me, vividamente, de tê-la visitado na primeira metade dos anos 1980.

Alexandre Giesbrecht

Nascido em 1976, Alexandre Giesbrecht é publicitário. Pesquisa sobre a história do futebol desde os anos 1990 e sobre a história da cidade de São Paulo desde a década seguinte. Autor dos livros São Paulo Campeão Brasileiro 1977 e São Paulo Campeão da Libertadores 1992, já teve textos publicados em veículos como Placar e Trivela.

Você pode gostar também de...

11 respostas

  1. Alberto disse:

    Não sei exatamente em que momento o Brasil, ou pelo menos São Paulo, parou no tempo, ou talvez em que momento econômico, e por culpa de quem. Sim, porque deixamos de ter as famosas grandes lojas de departamento como Sears, Mappin, Mesbla, entre outras, por vezes substituídas para grande parte da população pelas atuais lojas de 1,99.
    Alguns culpam os shoppings por essa derrocada das grandes redes, mas você vai lá fora não vê o mesmo fenômeno, muito pelo contrário, Macy’s, Sacks, Bloomingdale’s, Nordstrom, Galeries Lafayette, Printemps, e mesmo a Sears, entre outras, coexistem perfeitamente e até fazem parte, quando possível, dos Shoppings de suas respectivas cidades. Sem contar que elas são praticamente patrimônio cultural de suas cidades sede.
    Aqui até que o Mappin tentou fazer parte da primeira fase do Shopping Morumbi, mas sucumbiu com o tempo.
    Na minha memória fica a loja da Sears na Água Branca, local onde eu comprei junto com meu pai, no começo dos anos 80, o meu primeiro televisor portátil, Philips de 16 polegadas, para ficar no meu quarto. Era uma ‘independência’ e tanto ter sua própria TV em cores no seu quarto.

    • Thais Reder disse:

      Penso exatamente como você.Tempos lindos, lojas maravilhosas,hoje está tudo tão esquisito e se você comenta diz que é saudosismo coisa de velho,essas lojas possuíam até um cheiro uma coisa deliciosa no ar.

  2. john brans disse:

    Foi realmente a época de ouro. Era garoto quando morava em São Paulo, morávamos na Praça da Árvore e aos sábados íamos a CIDADE. Era maravilhoso, Lojas Mappin, Pirani, Cassio Muniz, Isnard, Mesbla, Casas São Nicolau, linda no Natal, Kopenhagen, na Praça João Mendes, sempre linda no Natal. Tudo realmente mudou. Mudamos, em 1967, para Niterói, grande diferença mas tinha uma loja Sears, não tão grande e uma Mesbla que também não existem mais. Mas voltando a São Paulo também fui muito a Rua Santa Efigenia, papai comprava material eletronica por lá, hoje só computadores mas pode-se achar alguma coisa do passado. Só lamento que o centro de São Paulo deteriorado, devido as drogas mas fazer o que. Esse é meu comentário por hoje. Abraços a todos os saudosistas.

    John

  3. Antonio disse:

    Muito obrigado, por sua história de Água Branca na Sears:
    Eu também trabalhei no departamento de publicidade da loja, como –Layout -man- e -Arte Final-, na seção de “Home Fashion” (Div. 1).
    Eu vim para a Espanha, meu país, por razões familiares, mas sempre eu lembro daqueles anos felizes entre os companheiros do Departamento de Propaganda na Loja Sears de Água Branca – São Paulo.
    Muito obrigado por me fazer lembrar aqueles anos maravilhosos e aqueles bons companheiros.
    O meu grade abraço
    Antonio

  4. Realmente, a SEARS na ÁGUA BRANCA, era a mais moderna loja luxuosa de São Paulo, produtos de grife, eletrodomésticos, ferramentas, móveis de jacarandá, a madeira mais nobre que já existiu.
    Foi com certeza, o 1º Shopping de luxo em São Paulo, dava prazer caminhar em seus corredores, ar condicionado, com aquele aroma do mingau de aveia, servido na cafeteria no centro da loja. Como também, você nunca saia de mãos vazias, levando uma roupa, um eletro doméstico, uma ferramenta ou mesmo uma sala de estar ou jantar, de Jacarandá.
    Foi uma maravilha dos anos dourados, que quando passou para as mãos de brasileiros, simplesmente fechou e não podemos mais curtir neste Brasil de hoje.
    Gostaria, que a Sears em lojas maiores, também apostasse em roupas de grife, cama, mesa e banho, além de móveis finos, como antigamente, seus móveis em jacarandá.
    José Ricardo Fávero

  5. Com meus 12 anos, em 1976, virei frequentador da SEARS ROEBUCK Água Branca. Gostava do glamour, da elegância, da música ambiente e….da maravilhosa seção de brinquedos que dispunha e aeromodelismo em madeira, plástico e até de metal. A fragrância que dominava a atmosfera elegante da loja era produzida por dois fatores: Primeiro a limpeza da Sears, que usava produtos com qualidade superior, com notas cítricas e amadeiradas, e o último: A torrefação de castanhas de caju, oferecidas num quiosque dentro da loja! Alguns aqui lembrar-se-ão do que estou mencionando…tudo cheirava a limpeza, com um aroma de castanhas de caju sendo vagarosamente assadas!!! Que delícia!

  6. Mário Sérgio ribeiro disse:

    Trabalhei nessa loja maravilhosa tenho muita saudade principalmente do cheira de castanha

  7. Fernando Morgado disse:

    Minha avó Olga Stella tbm trabalhou na Sears Água Branca. Diz q foi a melhor época de sua vida.

  8. alexandre disse:

    trabalhei na sabrico de frente a loja sears e comprei um urso de peluçia pra minha namorada que hoje é minha esposa temos dois filhos e um neto e me lembro até hoje eu e um amigo entramos e escolhemos os presentes. eu escolhi um urso e ele um tigre de pelucia isso na hora do nosso almoço quase chegamos atrasados. kkkk, que lembranças.

  9. Marisa Guimarães disse:

    A Sears da Água Branca foi inaugurada muito depois dessa data (1955). Essa informação está errada. Em 1955 certamente foi a inauguração da Sears da Rua 13 de \maio, a primeira loja de departamentos em São Paulo.

    • Alexandre Giesbrecht disse:

      Desculpe, Marisa, mas a informação consta tanto da Folha da Manhã como de O Estado de S. Paulo daquele dia, como você pode ver no anúncio logo no início do texto. A informação está correta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *