O Hotel Tudor House

Anúncio de casarão na Alameda Joaquim Eugênio de Lima, em 1952

Anúncio de casarão na Alameda Joaquim Eugênio de Lima, em 1952

Quando esse prédio com cara de casarão foi colocado à venda em 1952, os vendedores não cogitavam que ele fosse demolido, apenas reestruturado, para virar um “clube, colégio, hospital, hotel residencial, laboratório etc.”, como indica o anúncio. Se ele foi vendido nessa época, é difícil dizer, mas em 2003 ele seguia vivo, conforme se vê na foto abaixo, batida por mim em 2 de setembro daquele ano. Seja quem o tenha comprado, aparentemente seguiu com a mesma atividade de antes, como mostra uma reportagem da Folha de S. Paulo, em 1995, que diz que o estabelecimento, no caso um “hotel sem cara de hotel”, foi fundado em 1931:

Melhor hotel sem cara de hotel: Não procure fontes com querubins nem luminosos em néon na porta. Inaugurado em 1931, o hotel-residência Tudor House (Alameda Joaquim Eugênio de Lima, 711, tel. 285-6133) lembra uma casa inglesa e prima pela discrição. Bem-localizado, tem 25 quartos (com TV, telefone e banheiro) espalhados por cinco andares. As diárias custam de R$ 48 (para uma pessoa) a R$ 62 (o casal), mas há desconto de 25% na diária para mensalistas. É recomendável fazer reserva com quatro dias de antecedência.

O Tudor House ainda aparece em diversos guias na internet, mas textos sobre ele são raros. Esses guias, claro, estão todos desatualizados, pois o hotel já não existe mais. Em algum ponto da última década, ele foi derrubado, para dar lugar a um edifício gradeado, como se vê no Google Street View. Quando publiquei uma versão resumida deste texto, o historiador Martin Jayo comentou: “Eu o conheci por dentro. Fiz reuniões de trabalho e tomei café da manhã várias vezes nele, nos anos 1990. Era um hotel e estava impecável, conservadíssimo. Fiquei triste quando demoliram…”

Uma grande perda arquitetônica para a cidade.

Hotel Tudor House, em 2003

Hotel Tudor House, em 2003

Alexandre Giesbrecht

Nascido em 1976, Alexandre Giesbrecht é publicitário. Pesquisa sobre a história do futebol desde os anos 1990 e sobre a história da cidade de São Paulo desde a década seguinte. Autor dos livros São Paulo Campeão Brasileiro 1977 e São Paulo Campeão da Libertadores 1992, já teve textos publicados em veículos como Placar e Trivela.

Você pode gostar também de...

7 respostas

  1. Iam Cantarino disse:

    Toda vez que ia a São Paulo, na minha infância/adolescência dos anos 1990, me hospedava neste hotel, que era espaçoso, com funcionários fieis e caricatos, sempre muito atenciosos. Señor Leoncio era o gerente e as TVs ainda eram Telefunken. Infelizmente, sucmubiu à antiestética especulação imobiliária. Se tivesse resistido até os anos 2010, seria hoje um hostel…

  2. Thais Reder disse:

    Como podem permitir isso?

  3. Ana disse:

    Muito triste mesmo!
    Fiquei hospedada quando era estudante de Arquitetura e fui a uma Bienal em São Paulo. O hotel era um charme e o serviço supre atencioso. Um funcionário, que infelizmente não lembro o nome, esperava a gente chegar para dormir. Perguntava se tínhamos avisado em casa que já estávamos seguras no hotel! Tudo muito limpo e organizado e serviço impecável.
    Um perda para a cidade.
    Abraço,
    Ana

  4. Teresa Maria disse:

    Fiquei muito triste,em saber que o Tudor House não existe mais.Nasci e morei ao lado,em uma clinica e meus pais eram caseiros.Conheci os dons que eram a dona Bete e o sr.Barreira.Eu vivia lá dentro quando era criança.Más perdi o contato com eles,só sei que a ultima vez que fui visitar a dona Bete,seu pai havia falecido.Gostaria muito de saber o paradeiro dela,pois ela tinha um irmão na Áustria..obrigada se puder me ajudar.

  5. Antônio disse:

    Olá sra Tereza Maria!! Eu fui funcionário de D.Betty e sr. Barreira; por longos anos (37) me chamo Antônio; o pai dela faleceu em 1990, e ela em 2012 ; 23 de abril; uma grd perda, os tinha como meus pais;;; um abç a sra me desculpe de não me lembrar da sra;; moro TUPÃ S.P

    • Teresa Maria dos Santos disse:

      Boa noite sr.Antônio,eu agradeço desde já por me responder.Eu me lembro do sr.como também do sr,João.Fiquei triste em saber que a dona Bete,faleceu também.Gostaria mais de conversar com o sr.Eu tenho email: teresamaria.11@hotmail.com,e também facebook: Teresa Maria dos Santos,no meu perfil tem a minha foto,e ao fundo o meu gato preto no mato.Moro em SP,zona sul.Obrigada pela atenção e espero uma resposta sua.

  6. Wilson Junior disse:

    Morei anos aqui … minha formação foi neste local e onde coneci minha primeira mulher : a italiana Katia… Me lembro de toda turma : Sr João , Dona Bete , o Antonio , Sr Walter e toda a galera …. / um pecado esse patrimonio historico ter acabado….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *